Rua dos Passos, 205 / Taubaté-SP

(12) 3633.5099 [email protected]

Dicas e Notícias

Acompanhe

Detalhes técnicos do motor FPT 2.0 Turbodiesel 16V Multijet II que equipam os modelos Renegade e Toro

Uma das boas novidades introduzidas pela FCA – Fiat Chrysler Automóveis Brasil é a nova geração do motor turbodiesel produzido pela FPT (Fiat Powertrain Technologies)

Nesta edição do Consultor OB, iremos abordar as tecnologias utilizadas nos motores Fiat 2.0 FAM diesel, motorização utilizada nos veículos Fiat Toro Diesel e Jeep Renegade, e veremos tecnologias aplicadas neste motor que proporcionam menor consumo, maior conforto e uma significativa redução do índice de emissões de poluentes.

Especificações Técnicas

Potência

170 cv a 3.750 rpm

Torque

35,7 kgf.m a 1.750 rpm

Cilindrada total

1.956 cc

Disposição dos cilindros

4 em linha

Diâmetro x curso do pistão

83,0 x 90,4 mm

Taxa de compressão

16,5 : 1

Bloco

Ferro fundido

Ordem de combustão

1 3 4 2

Sistema eletrônico

Bosch EDC 17C69

 

Foto 1Foto 1

O bloco do motor é fabricado em ferro fundido com cilindros integrados, e este motor não possui sub-bloco, estando o eixo virabrequim apoiado por mancais individuais. Este eixo é composto por 8 contrapesos e cinco mancais fixos.Ligado ao eixo virabrequim (foto 1) existem dois eixos contrarrotantes (BSU) responsáveis por equilibrar as forças rotativas do motor. Os contrarrotantes possuem duas massas excêntricas engrenadas entre si e com o virabrequim. Na parte traseira do eixo virabrequim está localizada a roda fônica para o sensor de rotação.

A folga axial é controlada por dois semianéis instalados no mancal fixo central.

A folga radial específica para mancais fixo é de 0,011 a 0,071 mm e a folga radial para os mancais móveis e de 0,030 a 0,056mm.

O motor MultiJet II vem equipado com um conjunto BSU para eliminação de vibrações.

O conjunto é acionado pelo eixo virabrequim e apoiado por calços que devem ser dimensionados no caso de troca do eixo, das bronzinas fixas ou do próprio BSU. Para o procedimento deve ser instalado o relógio comparador e fazer a medição do deslocamento do relógio após um giro completo do motor.O valor do calço é obtido pela interpolação do valor medido conforme tabela abaixo.

Os calços são fornecidos nas seguintes espessuras:

Classe

Dimensão do calço

1

1.90 mm

2

1.95 mm

3

2.00 mm

4

2.05 mm

5

2.10 mm

6

2.15 mm

7

2.20 mm

 

Para retirada do BSU, deve-se travar o conjunto com ferramentas específica e o motor na posição de sincronismo.

O cabeçote do motor Multijet é dividido em cabeçote superior e inferior. No cabeçote superior estão alojados os comandos de válvulas de admissão e escape. Na parte inferior estão localizadas as válvulas, balancins, as galerias de água, óleo e gases.

Os eixos de comando são ligados entre si por um par de engrenagens na parte traseira e sincronizados entre si (foto 2).

Foto 2 e 3Foto 2 e 3

A junta de união do cabeçote ao bloco (foto 3) é composta de material multicamadas, fornecidas em três espessuras diferentes.A espessura da junta é selecionada de acordo com a medida da projeção do pistão, e deve ser observada quantidade de furação ou não.

Projeção

Furação

1.90 mm

1.95 mm

0

2.00 mm

00

 

SISTEMA DE LUBRIFICAÇÃO

O sistema de lubrificação do motor 2.0 Diesel é composto por cárter de alumínio, bomba volumétrica acionada pelo eixo virabrequim, radiador de óleo e filtro tipo ‘green filter’.

Uma característica do sistema é a existência de dois interruptores de óleo para segurança do sistema e uma eletroválvula de controle de pressão de óleo, ligada à central de comando do motor, nas seguintes estratégias:

– O interruptor de baixa pressão controla o acendimento da luz do quadro de instrumentos, o seu acionamento varia entre 0,2 a 0,5 bar.

-O sinal do interruptor de alta pressão é utilizado pela central do motor para controle da eletroválvula. O interruptor de alta pressão monitora valores de pressão de 1,95 a 2,4 bar.

-A eletroválvula é normalmente fechada e está alimentada com baixa rotação, mantendo a válvula aberta em altas rotações a alimentação da válvula é cortada, a válvula se fecha e a pressão do óleo do sistema se eleva.

-A eletroválvula é alimentada com negativo pela central do motor e positivo pelo +30 da bateria.

Especificação técnica

Óleo do motor

Sintético SAE 5W30 ACEA C2

Capacidade sem o filtro

3,8 litros

Capacidade com o filtro

4,2 litros

Intervalo de troca

20.000 km

Pressão de trabalho

1.1 a 4.25 bar

 

Foto 4Foto 4

O coletor de admissão (foto 4) possui um sistema controlado eletronicamente de variação para aumentar a turbulência no fluxo de ar de admissão.O coletor possui dois dutos de entrada de ar para cada cilindro, em um dos dutos de cada cilindro existe uma portinhola para direcionamento de ar controlado pelo atuador do variador.

Através da regulação das portinholas é possível adaptar a turbulência do ar fresco no interior da câmera de combustão às respectivas condições de carga do motor.

Em baixas rotações, nas quais a entrada de ar é menor no motor as portinholas do atuador encontram-se fechadas promovendo maior turbulência. Com aumento de rotação, ocorre a abertura das portinholas, facilitando a entrada de ar.

Equipamentos atualizados

Manutenção Preventiva

Pneus

Rendimento quilométrico
Quando usados com freqüência, os pneus ficam sujeitos ao desgaste natural, causado pelo atrito durante a rodagem na estrada. O tempo de duração de um pneu depende do carro, do tipo de superfície sobre a qual se dirige, do estilo de dirigir de cada motorista e outros fatores de importância semelhante; entre eles, está o tipo de composto usado em cada pneu, por exemplo.

Importante salientar a necessidade da manutenção periódica do veículo, sendo que as melhores propostas sugerem que sejam feitas entre 5 e 10 mil kms, analisando alinhamento de direção, balanceamento de rodas, folgas na suspensão, etc. de modo a garantir a maior vida útil dos pneus.

Pneus para carros: Os Dez Mandamentos da Manutenção Preventiva

  1. As pressões devem ser verificadas regularmente em pneus frios (incluindo o de reserva). Nunca reduza a pressão do ar enquanto os pneus estiverem quentes, pois é normal que ela cresça além das pressões frias.
  2. Os pneus devem ser substituídos quando suas superfícies demonstrarem sinais de desgaste, mesmo que o desgaste seja somente parcial (ex.: desgaste irregular).
  3. Verifique o carro periodicamente e/ou os impactos do desgaste anormal.
  4. Faça o balanceamento dos pneus periodicamente, ou quando ocorrer vibração.
  5. Quando ocorrerem impactos ou furos, verifique também a parte interna do pneu.
  6. Nunca estacione sobre locais com óleo, solvente, etc; eles podem causar danos aos pneus.
  7. Cumpra o código de velocidade e o índice de carga.
  8. Os pneus radiais (mesmo os novos) devem sempre ser montados no eixo traseiro; a instalação deve estar sempre correta e completa.
  9. O estilo e a velocidade de condução do veículo afetam diretamente a vida dos pneus.
  10. Faça uma verificação geral de condição dos pneus regularmente.

 

pneus

Manutenção, higienização e recarga de gás do ar condicionado

Dicas simples e eficientes para a utilização e manutenção do ar condicionado de seu veículo.

.Verifique o filtro do ar condicionado (filtro de pólen, filtro de ar de cabine) periodicamente
.Estando muito quente dentro do veículo, é recomendável abrir todos os vidros e deixar o aparelho ligado na temperatura mais baixa e com o máximo de ventilação por aproximadamente um minuto, antes de sair com os vidros fechados.
.Mesmo durante o inverno e nos períodos em que o aparelho não é muito utilizado, deve-se acioná-lo algumas vezes durante a semana, para evitar danos no compressor e lubrificar o sistema.
.A melhor maneira de prevenir doenças causadas pelos sistemas de ar condicionado automotivo é a manutenção constante, com a limpeza dos dutos, substituição dos filtros, higienização e recarga com gás ecológico, se necessário.

higienizacao